Dados – O novo oxigênio do mundo

Não é mais novidade que a forma como lidamos com os dados está norteando nosso dia a dia de uma maneira, antes inconcebível. A produção industrial, pesquisas farmacológicas, compras, vendas direcionadas, transporte, tudo gerido com interpretação de dados.

A crise de 2008 nos deu uma amostra de o que pode acontecer se não conhecermos a realidade de nosso negócio, o mercado, os consumidores. As empresas, principalmente as nacionais, entenderam a necessidade de manter uma base analítica e painéis e relatórios de fácil entendimento para melhorar a gestão de seus negócios.

A evolução das ferramentas de Business Intelligence (BI) explodiram de 2008 pra cá, o surgimento dos serviços de Cloud Computer facilitaram o processamento do grande volume de dados gerados, pelas redes sociais, IoT, e streaming de áudio e video, ERPs, CRMs, etc. E a necessidade de transformar esses dados em informação útil para a tomada de decisões levou a evolução do profissional de BI e o surgimento do Cientista de Dados.

A Ciência de Dados trouxe vários perfis de profissionais para o meio da Tecnologia da Informação (TI), enriquecendo muito este meio. Hoje, profissionais como Estatísticos, Matemáticos, Engenheiros, Médicos, Administradores, entre outros, enriquecem as “fileiras” da tecnologia da informação aumentando a massa crítica e possibilitando a abertura de novos caminhos e a descoberta de soluções mais efetivas na resolução de problemas cotidianos.

Um Engenheiros de Dados, conhecedor dos processos de ingestão e purificação dos dados, junto ao Especialista em IA, que pode retirar insights desses dados com algorítimos de Machine Learning e um médico especialista em sua área de atuação e conhecedor dos processos de dados, hoje conseguem descobrir um melhor tratamento para diversas doenças ou o caminho para a cura de várias doenças em tempo muito menor do que a alguns anos atrás.

Esses profissionais de dados, juntos aos administradores, conseguem encontrar redução de custos de operação de um plano de saúde, por exemplo, possibilitando maiores investimentos na rede de atendimento e maior liquidez para os processos internos.

Uma fábrica de alimentos, que conhece seus dados de produção, cadeia logistica e vendas, pode unir seus Químicos,Engenheiros de Produção, Especialistas em Logística e equipe comercial, para mensurar melhor sua cadeia de produção e distribuição reduzindo gap de entrega, otimizando compras e estoque, reduzindo desperdício e tendo um melhor resultado.

A pouco tempo surgiu a analogia de que os dados são o novo petróleo do mundo, ouso a dizer mais, os dados, em pouco tempo, serão o novo oxigênio do mundo e a necessidade de nos adaptarmos a essa realidade é cada vez maior.

Giovani Stefani

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *